A pensar alto

Final Fantasy VII: o jogo que não se leva a sério

Bom dia/Boa tarde/Boa noite, minhas coxinhas maravilhosas! Espero que estejam bem e prontos para um post polêmico:


Hoje falaremos sobre Final Fantasy VII e porque ele é – na minha opiniao – o pior final fantasy que já joguei.

Começando com um pouco de contexto: quando comecei a namorar com o Kayo, ele me apresentou ao mundo maravilhoso dos videogames e, claro, ao seu eterno amor, Final Fantasy VIII, que no fim acabou por se tornar no meu jogo favorito de todos os tempos.

Quem disser que o 8 não é maravilhoso merece um tapa de mão fechada.

Depois disso, decidi então continuar a saga dos jogos e jogar o IX e o X. Que obviamente ficaram entre os meus favoritos também. Depois de terminar o 10, fiz um pacto comigo mesma e com nosso senhor e Salvador Tonberry de jogar TODOS os Final Fantasy numerados.

Posto isto, chegou a hora de jogar o tão adorado VII. Um amigo do Kayo nos emprestou a versão dele do Nintendo switch e lá fomos nós. Antes de mais, deixe que vos diga: OBRIGADA DEUS PELO GODMODE! Na versão para consoles atuais, o jogo tem vários hacks que deixam o jogo mais fácil, como poder rodar em velocidade acelerada, não ter lutas ou o Godmode que te deixa sempre com HP e MP no máximo e sempre em limit break, então as lutas ficam infinitamente mais fáceis e o jogo por consequência é muito mais fácil e mais rápido de terminar. Se você quer jogar apenas para ver a história e não se importa com subir nível (como a maioria de nós adultos sem tempo e sem paciência), essas assistências são a melhor coisa!

Assim que começamos a jogar eu estranhei imenso os gráficos do jogo: infelizmente ele não envelheceu nada bem! Eu nem sou pessoa que se importa com gráficos, mas caramba que jogo feio!!! São um monte de polígonos com olhos e mãos de quadrado, é muito feio gente, não tem como defender! Eu acredito que tenha sido super revolucionário na época sair um Final Fantasy em 3D, mas hoje em dia é só feio…

POR QUE CHORAS, PIXAR?

Agora o pior desse jogo é o facto de ele não se levar a sério. Quer um exemplo?


ALERTA DE SPOILER NO PRÓXIMO PARÁGRAFO!

EU AVISEI!

AI AI AI!


Momento mais dramático do jogo, Aerith, a heroína da história é brutalmente assassinada na frente do grupo. Cloud a sepulta, a equipa sai do local e logo depois fazem o quê?

eu não estou nem a brincar.

Snowboard para superar! COMO ASSIM, JOGO? A menina morreu e o cara vai fazer snownboard num dos minigames mais estúpidos e inúteis de sempre. Que inferno de luto é esse? COM DIREITO A MANOBRA RADICAL E TUDO!

A história do jogo é interessante e podia ser uma das melhores, mas perde tanto impacto com essas coisas absurdas. Tantos minigames desnecessários, tipo aquele que você tem de proteger a montanha lá que no final não serve para absolutamente nada!!

Outra coisa que me incomoda demais no jogo são os personagens desnecessários que não acrescentam em nada na história, tipo a Yuffie que está no jogo só para ser irritante e ter mais um personagem feminino para jogar, e claro o pior protagonista de sempre – Cloud do cabelo pontudo. É um cara chato, deprimente, auto destrutivo que não faz nada direito e se não fosse a Aerith e a Tifa nunca faria nada! Tudo bem que eu praticamente descrevi o Squall ali, mas o Squall tem um amadurecimento ao longo da história que é maravilhoso de se acompanhar. O Amadurecimento do Cloud são quinze minutos de flashbacks na reta final do jogo.

A cara de um herói.

O Kayo sempre falou que era um dos piores Final Fantasy para ele, mas que todo mundo, por alguma razão, adorava o jogo, então decidi que ia jogar com o coração aberto e sem preconceito… mas não funciona. Desculpem fãs de FF VII, mas o jogo perdeu para a idade. Estou no momento a ver o resto do universo FFVII com o Kayo (filme, OVA, Crisis Core…) e estou gostando bastante, mas esta parte fica para outro post.

E vocês, alguém aqui já jogou FFVII? O que acharam? Comenta aí em baixo que eu quero saber! Ah e se gostou e quer me apoiar me paga um “cafezinho” :3 https://ko-fi.com/marisanoob#

Marisa

p.s.: seria muito melhor assim.

A pensar alto

Cheguei aos 30. E agora?

Olá meus brigadeirinhos de panela recém cozinhados!! Como estão? Primeiro, preciso pedir mais uma vez desculpa pela ausência, mas desta vez tem uma explicação boa! Ou pelo menos eu acho que é.

Tudo começou um belo dia de Janeiro quando Marisa serelepe começou a escrever um post sobre como 2021 foi um ano de merda. Depois desse post estar escrito, Marisa ficou à espera que o seu fiel editor – no caso, Kayo – fizesse a sua revisão, mas como Janeiro estava sendo caótico (emprego novo do Kayo, procura de novo apartamento entre outras coisas banais), demorou um pouco mais do que o costume para rever. Quando finalmente Kayo consegue arrumar um tempinho para ler o post, faz uma cara analítica e diz as seguintes palavras: “Mas o seu post está incompleto.” E foi aí que Marisa percebeu que por algum motivo desconhecido, tudo o que ela tinha escrito não tinha ficado gravado. Marisa ficou furiosa e destituiu de reescrever. FIM.

Agora que esclarecemos que a culpa não foi minha e sim do FDP do meu computador ou do WordPress, vamos ao post em si!

Dia 21 de Fevereiro, esta que vos escreve fez 30 aninhos! 3 décadas, 0.3 séculos e por aí vai… Confesso que umas semanas antes entrei numa pequena crise existencial mas que passou rápido. Isto porque eu não me sinto com 30 anos. E sabem porque? Porque a sociedade “define” que uma mulher de 30 anos é uma “senhora”! Deve se vestir de acordo, ter um emprego estável e bem sucedido, casada e provavelmente a pensar no primeiro filho. Destas 4 coisas eu tenho apenas 2. Um emprego estável que amo e sou casada com o cara mais maravilhoso do universo! Mas no que toca a ter filhos, neste momento não faz parte dos meus planos, e acho que nunca fará porque cada vez mais sinto que é um erro trazer crianças para esse mundo cada vez pior. E sobre me vestir de acordo… bem… depende do que é o “de acordo” hahah.

Marisa no dia do seu aniversário

Além disso tudo, acho que quando era mais nova achava que quando chegasse aos 30 ia ter a vida totalmente organizada! Ter a minha casa própria, dinheiro suficiente para não me preocupar com ele, uma adulta responsável e com a vida planejada. Mas a realidade é bem diferente, e em parte essa ideia é culpa da sociedade e dos padrões que ela define para cada idade. Com 30 anos os nossos pais já estavam casados, já tinham casa própria e muitos deles já tinham um ou dois filhos. Mas e nós? Chegamos aos 30 vivendo numa casa alugada, alguns casados, outros solteiros ou vivendo com a pessoa que amam, alguns esperando filho e outros pensando em como isso está longe dos planos ou sequer faz parte deles. E está tudo bem! Cada pessoa tem o seu percurso, o seu tempo de fazer as coisas e os seus objetivos!

Um pouco antes do meu aniversário eu ficava pensando em como eu achava que devia estar na vida e em como eu realmente estou, e pensava que devia estar errada.

Pensava que com 30 anos eu não podia mais me vestir de certo jeito e que devia estar pensando em ter filhos e um monte de coisa absurda! Mas quem define o que é certo para cada pessoa em cada idade? A própria pessoa! Sou eu quem defino o que eu devo ser ou fazer e o que me faz feliz, e se eu sou feliz com o meu marido e os nossos dois filhotes peludos, usando moletom rosa, all stars e calça jeans, quem é a sociedade para me julgar?

Talvez esse post faça pouco sentido para você – ou muito -, nem sei se ele faz sentido em si próprio, só sei que precisava escrever e aqui está! Me fala aí nos comentários o que achou e nos vemos no próximo post aleatório 😘

– Marisa, a idosa de all star.

Pensamentos de banho

Fizemos A lista do sexo

Oi meus queridos açaís com granola! Hoje trago um post um pouco mais light do que ultimamente: Achei que estávamos precisando! Sim vocês leram bem.

Eu e o Kayo fizemos a nossa lista de pessoas famosas que teríamos autorização um do outro para uma transadinha.

Essa lista inclui 5 pessoas e só pode ser atualizada de 5 em 5 anos ou em caso de morte de umas das pessoas (ou outra situação como um escândalo sexual ou sei lá). E não, não está plastificada – só os fortes entenderão. Agora sem mais demoras vamos à lista, começando com a minha:

#1 Brad Pitt – quem nunca né? Brad Pitt é um pouco como o vinho do Porto, quanto mais velho, melhor, apesar das suas fases meio más. Se puder escolher, seria Brad Pitt versão Troia ou Era Uma vez um Hollywood (damn que GILF).

Brad feliz por fazer parte da minha lista

#2 Henry Cavill – O Henry já era uma crush desde que assisti o Conde de Monte Cristo, mas conquistou meu coração mesmo com Superman e The Witcher. Quem mais assistiu a série pelo plot? ( ͡° ͜ʖ ͡°)

nhanhanaha ❤

#3 Ken Watanabe – Katsumoto era legal e tal, mas o Chairman em Memórias de uma Gueixa é tudo o que uma menina sonha! Só digo uma coisa: se ele chegasse de jeito eu mostrava a perfect blossom.

We can talk in Engrish all you want!

#4 Sam Heughan – Quem não quereria ser encontrada por ele e virar sua prisioneira? Nunca fui muito fã de ruivos, mas pelo Jaime abro uma exceção! E sim quero muito saber se escoceses não usam mesmo nada por baixo do Kilt!

Sim, ele tá olhando na sua alma!

#5 Kate Winslet – Finalizo a minha lista com uma opção lésbica. A Kate é a minha crush lésbica há tanto tempo mas muita gente não entende porquê. Gente, ela é maravilhosa e linda! Quando assisti The Holiday, foi quando soube que tinha de a adicionar à minha lista. Talvez não para sexo, mas definitivamente para uns beijinhos e uns pega.

Veninmim!

Eu acredito em direitos iguais, então agora, pela primeira vez neste blog, convido aqui o meu marido para publicar a lista das cinco crushes dele! Assume, Kayo:

#1 Margot Robbie – A loira da lista com um ar mais maluco/aventureiro e uma voz rouca super sexy. A Margot foi incrível no Eu, Tonya, mas foi com aquele sorriso lunático da Harley Quinn que ela me ganhou. Por ela eu assisto até o filme da Barbie no cinema.

Não me esfaqueando no date, tá valendo ❤

#2 Penélope Cruz – A Penélope me ganhou com o sorriso espanhol mais fofo do mundo em Vanilla Sky, e alguns anos depois quase me deixou sem ar em Nine quando meus amigos alugaram o filme (com direito a travesseiro no colo e tudo).

E aí, Pepê, tenho chance?

#3 JooE – Já tivemos a loira maluca, a morena com sotaque fofo… agora a Lee Joo-won preenche a vaga de asiática da lista. Cantora e dançarina da banda de K-pop Momoland, a JooE é o carisma em pessoa, além de ser super sexy enquanto dança. Eu deixaria fácil ela Momo a minha Land.

E sim, ela é maior de idade.

#4 Elise Trouw – Eu adoro música, e tem poucas coisas mais sexies no mundo do que uma garota que toca instrumentos, canta bem, tem estilo e nariz empinado. A Elise é praticamente uma Lola Bunny roqueira, só que sem a culpa constangedora de achar uma coelha cartoon sexy.

Parece uma sereia cantando =w=

#5 Giu Hellsing – WebModelo, cosplayer e gótica trevosa da lista. Só vou dizer uma coisa: 95% das fotos dela são inadequadas para esse blog 👀 👀 👀 👀 👀 👀 👀 👀

O maior desafio aqui foi achar uma foto publicável.

– Agora fiquei pensando… imagina um dia a gente encontrar alguém da lista no meio da rua 👀 Tipo andando no shopping de boa e bam! Henry Cavil! Ou Bam! Giu Helsing! Aposto que íamos ficar totalmente sem graça mas tudo bem hahaha

… E se uma foto dessas aparecer nas nossas redes sociais… já sabem 👀

Mas é isso! Essas são as nossas listas. Vocês também têm uma lista? Se sim, tem alguém em comum com as nossas?

Sonhar é de graça.

Marisa

A pensar alto

A era dos polêmicos live action Disney e feminismo forçado.

Oi meus lindos! Como estão? Hoje trago-vos um tema que tem sido um tanto polêmico: Falemos sobre a moda dos live action! Mais concretamente sobre os live action da Disney.

Se você vive numa caverna nos últimos anos e não sabe do que estou falando, desde 2014 mais ou menos – quando saiu o filme da Maleficent – que a Disney tem feito novos filmes, baseados nos clássicos de animação mas na forma de live action, ou seja, usando atores reais e fotografia.

Até aqui tudo certo. Tem algo interessante em ver os clássicos animados serem interpretados por atores reais e ver como as histórias mudam ou como a tecnologia atual deixa tudo ainda mais mágico. Por exemplo, no meu filme live action favorito – Cinderella – a forma como usam tecnologias como o CGI na cena em que a fada madrinha cria o vestido da Cinderela é a coisa mais linda que eu já vi num filme não animado! É absolutamente mágico e captura perfeitamente a magia da cena no filme original.

É mágico demais ❤

Mas as coisas se complicam nas adaptações com atores ou 3D – e se é que posso dizer, ficam polêmicas – quando tentam fazer algo completamente novo com a história e acabam mudando coisas demais. Falo por exemplo do odiado “live action” de O Rei Leão – que de live action não tem nada. Usaram o nome pelo realismo, mas ali não tem um pelo de leão real. OH FILME RUIM! Foram os 20€ mais mal gastos de sempre! Sim, eu fui ver o filme no cinema em IMAX. Horrível. É o filme da Disney favorito do Kayo e ele saiu completamente desiludido da sala de cinema, parecia que tinham lhe roubando a infância.

De todos os filmes recentes, O Rei Leão de 2019 deve ser o pior que já vi! Seguido de Mulan – que apesar de eu não ter odiado o filme assim tanto, continua ruim. A Disney queria se desculpar com a China por terem “desonrado” a lenda da Mulan mas acabaram fazendo um filme completamente estereotipado, uma versão americanizada de cinema chinês que só deixou os chineses ainda mais putos. Acho que li em algum lugar que o filme nem foi exibido lá de tão vergonhoso. DESONRA, DISNEY!

Por fim, chega Aladdin. Gente… Aladdin estava tão bom, mas tão bom até a cena da parada de entrada do “príncipe” em Agrabah. A partir daí foi só ladeira abaixo, culminando com o momento “videoclipe pop totalmente desnecessário” da Jasmim. Nada a ver com o filme ou mesmo com a personagem! Já para não falar da falta de contexto e da direção de filmagem completamente alheia ao resto do filme. Do nada a Jasmim começa a cantar sobre empoderamento das mulheres numa cena que parece mais um videoclipe da Beyoncé! SEM NECESSIDADE NENHUMA!

Esse GIF funciona com qualquer música da Demi Lovato.

Não me entendam mal, eu sou totalmente a favor de direitos iguais para mulheres e tudo o que está relacionado, mas simplesmente não consigo engolir essa necessidade forçada da Disney de ser “feminista” ou de usar as batalhas de direitos sociais atuais para os personagens clássicos a cada segundo que podem.

O negócio de deixar as princesas Disney menos princesa delicada de forma forçada me deixa muito incomodada. Acreditem, sou toda a favor de ver os contos de fadas clássicos reinventados para corresponderem à sociedade atual, porque obviamente os tempos mudam e na época em que muitos desses contos foram escritos muitas coisas da sociedade e do papel da mulher eram totalmente diferentes. Mas sejam sutis e mantenham tudo num contexto! Em Cinderela fizeram essa atualização muito bem! A Ella deixou de ser tão “princesa indefesa” e tem muito mais personalidade e um papel ativo na história (inclusive ela quem se declara ao príncipe no final enquanto ele fica olhando com cara de bobo com o sapatinho na mão), mas nessa adaptação a Disney conseguiu manter todo o espírito puro e mágico do filme original e o empoderamento aparece como algo completamente natural, o que não aconteceu com Jasmim no Aladdin.

Isso me incomoda muito em A Bela e Fera – que é o meu filme Disney favorito. Apesar de eu ter adorado o live action, o jeito que a Emma Watson interpretou e mudou a personagem da Belle me deixou triste, e ao contrário do que muitos acham não gostei dela ser a inventora fodona e independente. A personagem original já era totalmente “woman power”! Ela quer ser livre, estudar e recusa um casamento forçado com o cara mais machista de sempre. Tudo porque ela quer fazer as suas próprias escolhas e ter a liberdade para viver do jeito que quer. Não precisava forçar a feminista durante o filme todo, Emma, porque a a Bela sempre foi uma, mas nas suas próprias nuances e com uma apresentação natural ao longo do filme original.

Take that, B*tch

Enfim, isso é apenas a minha opinião. Acho que a moda dos live action tá começando a passar dos limites. Tem filmes que simplesmente não precisam de mais uma versão. São obras primas por si só e devem ser deixadas assim, sendo no máximo remasterizadas com carinho e relançadas no cinema para o público mais novo atual, como o clássico O Rei Leão foi uma década atrás. Parece que a Disney deixou de ter ideias novas e quer apenas ganhar dinheiro com o que já existe. Mas adivinhem? Eles conseguem exatamente o que querem porque a maioria dos fãs não têm coragem de criticar.

E vocês, o que acham dos live action? E qual o vosso favorito e o mais odiado? Comenta aí em baixo que eu quero saber!

Beijo e até ao próximo post ❤

– Marisa

PS: Gosta dos meus textos? Considere me apoiar no Ko-fi https://ko-fi.com/marisanoob e me paga um cafezinho!

❤
A pensar alto

The Father e o medo de envelhecer

Olá meus brigadeirinhos de panela? Como estão? Espero que bem.

Por aqui tudo bem: estou de férias e apesar de não ter podido viajar e tal elas têm sido muito gostosas e bem necessárias. Acho que não tinha noção do quão precisava de uns tempos fora do trabalho até ter começado as férias.

Mas bem, o tema de hoje não é esse mas está de certa forma relacionado. No meu primeiro dia de férias decidi que só ia ver filmes, vi 3 filmes num dia só, o que até foi bem pouco pensando nos meus anos de adolescente com 3 meses de férias no Verão. Um desses filmes foi, como já perceberam pelo titulo do post, o The Father. QUE PUTA FILME. QUE ATUAÇÃO BRILHANTE! E não me refiro apenas ao maravilhoso Sir Anthony Hopkins mas também à Olivia Colman, que eu já amava pelo papel de rainha Elisabeth no the Crown, mas que conquistou o meu coração de vez com esse filme.

Sem dar muitos spoilers, o filme conta a história de Anne (Olivia Colman) na sua batalha para lidar com a demência do pai, Anthony (olha que bizarro o personagem ter o mesmo nome do ator). A narrativa se passa maioritariamente “na cabeça” do pai e vai mudando consoante a mente do mesmo. Tanto que muitas vezes eu própria ficava confusa pensando, o que afinal é a realidade e o que é apenas a confusão da cabeça dele. Por essa situação e perda de memória ele fica com a cabeça confusa ao ponto de parecer que tem várias personalidades: num momento é um velhinho frágil e no outro uma autentica besta para a filha e para as enfermeiras que Anne contrata para o ajudar.

Esse filme é ao mesmo tempo bonito como terrivelmente assustador e angustiante, já para não falar como deve ter sido difícil para o ator interpretar um papel que talvez nem seja algo tão distante da realidade… porque convenhamos: ele tem 84 anos e faz o papel de um cara com o mesmo nome, com demência!!

Eu passei metade do filme com pena dele, outra metade com pena dela, e pensando em como deve ser horrível ter de ver alguém que gostamos naquele estado, sem ter como ajudar, lutando para que isso não afete a nossa vida pessoal, e mais para o fim pensando “e se um dia eu for essa pessoa?” No caso, tanto a filha como o pai.

Acho que como ser humano todos temos medo de envelhecer, algumas pessoas mais que outras. No meu caso eu não tenho tanto medo de ficar velha, tenho medo de chegar num ponto em que não consiga cuidar mais de mim. Tenho medo de depender de outras pessoas, como o Anthony, medo de não ser mais autônoma, e de não conseguir lembrar quem eu sou, que dia é ou porque tem um estranho na minha casa, que afinal não é a minha e sim do estranho que no final é um parente.

Mas o que me deixou mais angustiada com o filme foi pensar “E se um dia eu for ela?” Se um dia o meu pai, ou a minha mãe estiver como o Anthony e eu for confrontada com a escolha de cuidar da pessoa eu mesma, sabendo o que isso fará com a minha sanidade mental e com a minha vida pessoal ou colocar a pessoa numa casa de repouso onde terá todos os cuidados necessários e acompanhamento diário mas onde, talvez se sinta sozinha e abandonada. Acredito que muitas pessoas já tenham se perguntado o mesmo e a reposta mais “natural” seria: “agora é a minha vez de cuidar deles”… mas e a sua vida? Eles viveram a deles, e acredito que nenhum pai no seu perfeito juízo iria querer que um filho “perdesse” a sua sanidade, a sua vida ou mesmo o seu relacionamento para cuidar dele. No entanto, falar é fácil e essa deve ser uma das decisões mais difíceis que alguém pode ter que tomar.

E vocês, viram o filme? O que acharam? Já passaram por algo assim? Comenta aí em baixo e vamo para a terapia!

Marisa

PS: Gosta dos meus textos? Considere me apoiar no Ko-fi! https://ko-fi.com/marisanoob Me paga um cafezinho ❤

A pensar alto

Preciso me manter mais saudável!

Oie meus pãezinhos de queijo quentinhos, turu bom? Tiveram saudades minhas? Aposto que não… já desistiram de mim por essa altura T__T Brincadeira, haha!

Espero que esteja tudo bem com vocês. Hoje venho falar-vos um pouco sobre como descobri que sou uma velha de 80 anos presa num corpo de 29.

Desde há um 2 meses que tenho umas dores nas costas insuportáveis e depois de muitos exames, massagens e “porrada” no osteopata descobri que tenho 2 hérnias de disco na coluna, yaaay! De momento estou apenas fazendo fisioterapia, tentando fortalecer a zona da lombar para ajudar com as dores enquanto espero pela consulta de neurologia/ortopedia para saber se vou ou não fazer cirurgia. Com este problema deixei, novamente, de fazer exercício porque tudo o que tentava me machucava, antes de aprender como fazer direito.

Não tenho a certeza se já escrevi sobre isto aqui mas eu tenho um grave problema com treinar regularmente e me manter “fit”: para ser honesta eu não gosto de fazer exercício. Sou preguiçosa! Mas com o tempo sem fazer alguma coisa acabo me sentido mal, porque começo a engordar, perco autoestima, minha ansiedade piora e vêm os problemas mais físicos como essas dores nas costas e outras coisas que já senti antes. Tudo isso leva a um novo problema de não querer fazer porque dói isso ou aquilo ou porque minha autoestima está baixa e a ansiedade pior… aí acabo me desleixando e passo as minhas folgas em frente a TV assistindo série. Um loop infinito!

Outra coisa que eu percebi depois de várias vezes em que recomecei a me exercitar e parava depois de um tempo é que eu sempre estabeleço uma meta. Por exemplo: “vou perder peso para o casamento” ou “vou perder peso para o casamento da minha amiga ou para vestir aquele bikini no verão e me sentir bem” mas essas metas têm um fim e portanto quando esse fim chega a minha motivação baixa e volto a não fazer nada.

Desde que percebi isso, com muita ajuda do Kayo, a quem eu agradeço todos os dias por não desistir de mim e continuar me enchendo o saco para fazer coisas e não desistir, decidi que não vou estabelecer uma meta “finita” mas sim uma meta mais geral que me permita não desistir quando chegar lá, ou pelo menos espero!

Portanto, botei na cabeça que preciso treinar e perder uns quilinhos não só porque isso vai me fazer sentir melhor comigo mesma mas porque vai ajudar com a minha saúde mental e física. Não vou só perder peso para poder usar o bikini no verão ou aquele shortinho, mas sim para poder fazer uma caminhada longa e não ter de parar a meio porque não tenho resistência, e para não sentir todos os dias esta dor insuportável na coluna e conseguir estar 2h ou mais fazendo live sem doer! Ou para não acordar com crises de ansiedade e ter a cabeça sempre ocupada com mil pensamentos. O exercício físico me ajuda imenso com isso e nem precisa ser algo muito intenso: Basta uma caminhada ou uma partida de ring fit todos os dias que dá para notar a diferença!

Ah e claro que tudo isto também é aliado a uma alimentação mais saudável. Durante uns meses eu andava comendo chocolate todos os dias, mas tipo chegava a comer uma barra de chocolate de leite num dia só! E apesar de dar por mim a pensar “nossa como eu comi isso tudo num dia? Preciso me controlar.” no dia seguinte acontecia o mesmo. E deixei também de tomar café, outra coisa que eu sabia há muito tempo que me fazia mal, e já tinha parado antes, mas voltei como se tivesse amnésia seletiva. Claro que depois de uns meses tomando todos os dias, 2 chávenas por dia os mesmos problemas voltaram. Como eu tenho uma colite ulcerosa, o café (não a cafeína) me faz mal: fico super inchada e cheia de gases porque o meu intestino inflama. Para vocês terem noção de como eu estava inchada, no metrô acharam que eu estava grávida e tentaram me dar o lugar. Nesse dia foi a gota d’água. Dei a minha chávena de café e as ultimas cápsulas para a máquina do trabalho a um colega e parei! Desde aí parece que perdi 5kg haha.

Kid Crying GIFs - Get the best GIF on GIPHY

Espero que este post inspire alguém nessa mesma situação e ajude a pegar aquela “motivação” para se manter saudável! Não quero ser aquela pessoa que diz que só pessoas magras e top model são bonitas e estão felizes, mas eu quero te inspirar a ser saudável – e não necessariamente “fit”. Como eu disse, faça exercício para estar saudável, física e mentalmente.

Comenta aí se você passa pelo mesmo e vamos nos ajudar! ❤

– Marisa

Reviews da Marisa

Livros que marcaram minha vida!

Oi meus cuscuzinhos nordestinos, como estão? Por aqui tudo bem: primavera chegou, pólen no ar, alergias fluindo… uma maravilha!! Continuamos em confinamento mas gradualmente as coisas estão a reabrir e os casos a diminuir, e eu pensando em coisas que queria estar fazendo. Algumas são coisas que nunca gostei assim tanto mas como todo o bom ser humano, só damos valor ás coisas quando as perdemos, não é mesmo?

Mas bem, hoje o tema que trago é: Livros! Isso mesmo, comecei um livro novo e percebi que nunca tinha escrito sobre os meus livros favoritos e não pode ser! Coincidentemente enquanto escrevo estou ouvindo o meu posdcast favorito e um dos temas é livros e hábitos de leitura, haha! E se estiverem curiosos, o podcast é o FUSO de uma humorista portuguesa, a Bumba na Fofinha. Agora sem mais enrolação vamos ao tema.

#1 A Papisa Joana – Donna Woolfolk Cross

Este é sem dúvida o meu livro favorito. Li pela primeira vez na escola porque a minha professora de história leu um excerto durante uma aula sobre a idade média. Eu e uma colega ficamos super interessadas no livro, então ela comprou e me emprestou mais tarde. Adorei na primeira leitura mas só uns anos depois comprei para mim e reli mais umas duas vezes.

O livro é um romance histórico sobre a lenda de uma mulher, Johanna von Ingelheim, que terá chegado ao posto mais alto da igreja católica ao se tornar Papa. Nasceu numa família de camponeses e, filha de um sacerdote, desde pequena questionava o porquê das mulheres não serem educadas da mesma forma que os homens entre outros temas da vida. O seu irmão mais velho ensinou-a a ler e mais tarde entra numa escola religiosa. Anos depois entra num mosteiro disfarçada de homem e aqui inicia a sua vida como monge, que culmina na sua pontificação após a morte do papa Sergio, de quem se tornou amiga e confidente após salvar a sua vida.

Em 2009 esta obra foi adaptada para cinema, e acho que foi um dos poucos filmes que eu gostei depois de ler o livro. Recomendo tanto o livro quanto o filme para todas as pessoas que gostam de história e romance. A narrativa da autora nos deixa presos ao livro, pela forma como escreve e pelo facto de se tratar de uma história possivelmente verídica, que foi apagada dos registos pela igreja católica, por ser considerada uma vergonha. Até hoje os historiadores não tem um consenso mas a maioria assume como sendo um mito, apesar de existirem registos do pontificado e de ser algo aceite como verdadeiro há alguns séculos atrás.

Com isto fiquei na vontade de reler o livro…. em vez disso fui ver o filme!

#2 Zorro – o começo da lenda – Isabel Allende

Isabel Allende é uma das minhas escritoras favoritas e esse foi o primeiro livro dela. O segundo que li sem ser historias de criança ou banda desenhada.

Nunca fui uma criança que gostasse particularmente de ler e os meus pais brigavam muito comigo por isso, mas durante umas férias de verão encontrei um livro na casa da minha avó que me chamou a atenção: era um volume ilustrado dos 3 Mosqueteiros de Alexandre Dumas. Devia ser do meu pai ou do meu tio e ela me deixou levar. Sempre gostei da história e dos filmes por isso li em 2 ou 3 dias e a partir daí começou o meu gosto por ler!

Tenho até hoje aquele livro e é um dos meus tesouros, e dos meus favoritos também! Depois de terminar fiquei procurando novos livros e numa ida ao supermercado fiquei vasculhando a secção de livraria. Foi aí que achei o Zorro. Pedi aos meus pais e eles compraram felizes da vida que eu estava finalmente lendo mais!

O Zorro era outro dos meus filmes favoritos e o livro conta a história de um jeito muito mais completo e interessante! Neste romance a autora conta a história do surgimento do maior justiceiro latino-americano, Zorro. Nascido no sul da Califórnia, Diego de la Vega é filho de um militar aristocrata espanhol e de uma guerreira indígena.

Durante a infância Diego é testemunha das brutais injustiças que os indígenas norte-americanos enfrentam pela parte dos colonos europeus e sente pela primeira vez um conflito interior em relação à sua herança. Aos 16 anos, Diego é enviado a Barcelona para receber uma educação europeia. Num país oprimido pela corrupção do domínio napoleónico, o jovem decide seguir o exemplo do seu célebre professor de esgrima, e adere “À Justiça”, um movimento clandestino de resistência, que se dedica a ajudar os pobres e indefesos.

Recomendo muito a quem gosta de uma boa aventura com muitas lutas de esgrima, piratas e romance caliente!! Se gostarem, a autora tem outros livros muito bons, como a trilogia “Memórias da Águia e do Jaguar”.

#3 O Guerreiro Lobo (A saga das pedras mágicas) – Sandra Carvalho

Sandra Carvalho é a autora de fantasy mais conhecida em Portugal, e a minha favorita também! Ficou famosa com a sua Saga das Pedras Mágicas. Infelizmente os livros foram apenas editados em Portugal, por isso para os leitores Brasileiros vai ser difícil achar o livro. Mas se alguém lendo esse post gostar e quiser o livro eu posso arrumar um jeito de enviar ;D

O Guerreiro Lobo é o segundo livro da Saga e é o meu favorito porque é a continuação da história do melhor par romântico da série. Tem até uma parte que eu marquei no livro porque… oh…. 👀 Mas para explicar um pouco sobre o livro tenho de falar sobre o primeiro.

A história se passa numa época em que os druidas se recolhiam nas florestas para perpetuarem o conhecimento que em eras passadas lhes fora transmitido pelos seres mágicos. Catelyn, a heroína da história, é nascida na Grande Ilha, um lugar cada vez mais fustigado pelos ataques Vikings. Os senhores locais formaram uma aliança para os repelirem, consolidando essa política através de casamentos combinados entre os herdeiros das grandes famílias. É uma leitura leve e épica, cheia de tramas e aventuras e uma escrita muito apaixonada que nos deixa presos na história e sempre querendo saber mais e ler mais um capítulo. Não posso falar muito sobre o segundo livro porque seria spoiler se alguém estiver interessado em ler e apesar de ser difícil de achar no Brasil se alguém tiver a oportunidade, recomendo muito!

#4 Crónicas do Mundo Emerso – Licia Troisi

Finalizamos com mais uma trilogia de fantasy! As Crónicas do Mundo Emerso foram me apresentadas pelo Kayo quando ainda éramos apenas amigos. Na época uma amiga da escola tinha e me emprestou mas quando fomos no Brasil o Kayo me deu de presente ❤

Nesse caso não tenho um favorito, amei todos do mesmo jeito e ainda quero ler novamente! É uma saga de aventura que começa contando a história de Nihal, uma semi-elfa de 13 anos que deseja ser guerreira. Sempre invencível nas brincadeiras de luta, até ao dia em que conhece um jovem mago, Senar, que a desafia e vence a luta. Depois disso Nihal decide aprender magia com o mestre de Senar que entretanto se torna um grande amigo. O livro descreve os esforços de ambos para realizar os próprios sonhos, os perigos e dificuldades que enfrentam e a preparação para futuros desafios: Nihal, como cavaleira de dragão, e Senar, como integrante dos conselhos dos magos, precisam defender o que ainda sobrou do Mundo Emerso das garras do profético Tirano e seu exército corrompido.

Confesso que demorei para me prender na leitura porque o livro começa um pouco lento, mas com o passar dos capítulos vai fluindo e fica bem mais interessante, principalmente quando você começa a ver o crescimento dos personagens. As aventuras são cheias de questionamentos pessoais e batalhas sangrentas e muitas mortes, o que torna o livro interessante e não apenas mais um fantasy bobinho. Existe uma carga emocional grande na história da Nihal e nos seus conflitos com o passado, ao ponto de em certa altura ela passa a lutar não somente contra os vilões mas também contra os seus demónios.

Agora que já falei um pouco sobre os meus livros favoritos quero saber os vossos! Nesse momento comecei a ler O Silmarillion para depois iniciar a trilogia do Senhor dos Anéis, e já tenho outros tantos na fila, mas quero recomendações! Por isso comenta aí se você já leu algum dos que eu falei e o que achou e me fala os seus também!

Espero que tenha gostado do post e se quiser me apoiar considere me pagar um Ko-fi! ❤ https://ko-fi.com/marisanoob

Beijos!

– Marisa

A pensar alto

Coisas que sinto falta do Brasil

Oi meus brigadeiros de panela, como estão? Por aqui tudo bem, ainda em confinamento e sem carnaval – ao contrário do Brasil que não pode passar um ano sem carnaval e depois tá aí chorando que os casos de Covid não param de aumentar, não é meus queridos? Mas deixando esse assunto polémico de lado vamos ao que realmente importa: as coisas que eu mais sinto falta do Brasil! Notem que essa é a minha experiência do tempo que passei no Brasil, de férias 2 meses e depois na lua de mel. Vamos lá!

#1 As praias

Nossa, que saudade das praias do Brasil!!! Aquela água maravilhosamente límpida e quentinha! Os barzinhos, os vendedores, as frutaaaaas! Gente, a primeira vez que eu bebi uma água de coco fiquei maluca! Eu não gosto de comer coco ralado ou coisas com muito coco mas sempre quis provar a água porque o Kayo dizia que o sabor era diferente, então no primeiro dia no Brasil ele me levou numa praia para provar e foi uma maravilha!!! Na época custava 2R$ mas eu lembro que a mulher percebeu que eu era turista e quis me enganar cobrando mais mas tinha uma placa como preço e o Kayo brigou com ela haha! E aquela bebida que fazem com suco de abacaxi, dentro do abacaxi e depois te dão o recheio como um picolé cheio de leite condensado? Ain gente que saudade disso!

AI ESSE ABACAXI! QUE DELICIAAAA!!!

Outra coisa que eu amo nas praias do Brasil: além da água quentinha (aqui é sempre gelada) são os barzinhos. Aqui em Portugal os bares da praia ficam no começo da praia e servem apenas naquela zona. Geralmente têm uma esplanada e tal mas é só. Não tem aquele negócio de te dar uma mesinha e cadeiras na areia como no Brasil. Isso foi até umas das coisas que eu mais estranhei na primeira vez que fomos na praia, porque todo mundo estava sentado em cadeiras de bar, comendo e bebendo cerveja e tal, enquanto aqui o povo na praia deita de toalha na areia. Também tem esse negocio de alugar cadeiras ou espreguiçadeira com guarda sol e tal mas é sempre caríssimo!! Foi um costume que eu gostei bastante, apesar de ter estranhado muito no começo.

Mas o que eu mais amo nas praias Brasileiras é o mar! Aquela água transparente e quentinha! Os peixinhos e os corais tão próximos da gente que quase dá para pegar um! Poder entrar na água e não ter um choque termico e quase morrer de hipotermia foi uma das melhores sensações que eu tive na primeira viagem ao Brasil.

Que mar lindo! Maragogi é um dos lugares mais bonitos que eu já conheci!
Oh, os peixinho! ❤

#2 A comida

Perdoem leitores portugueses: a nossa comida pode ser muito boa, rica e tudo mais, mas a comida brasileira é tão mais gostosa! Apesar de terem coisas que eu não gosto tanto numa como na outra, posso dizer que a comida brasileira ganhou o meu coração! Principalmente a nordestina que foi a que eu mais comi, já que o Kayo é de Alagoas. Não teve nada que eu tenha comido no Brasil que eu não tenha gostado, e sinto muita falta de ir a um restaurante buffet ou daqueles em que você paga o peso do prato, e comer tudo o que puder!! #saudadessámenina

Mais alguém ficou salivando, agora?

Outra coisa relacionada com a comida mas que não tem a ver com a gastronomia local, é a variedade de comidas e gastronomias que tem no Brasil. Nunca comi um sushi tão fresco e gostoso como em Maceió, #saudadesnewhakata, nem um ramen tão bem feito como em São Paulo! Além disso provei muitas comidas de outros países que não conhecia e tanta variedade de comida regional que eu nem lembro mais de tudo! Só sei que quero muito voltar e comer nesses lugares todos de novo.

Melhor Ramen de São Paulo!

Mas deixo aqui um alerta para quem for sensível de estomago como eu: talvez você demore um tempo para se acostumar com as comidas, principalmente com a do nordeste. Ela é bem condimentada e pode te deixar uns dias passando mal, sentando ou abraçado ao troninho!

#3 O som da chuva e dos carros

O som da chuva em Maceió era uma das coisas mais gostosas de ouvir quando eu acordava a meio da noite, ou de manhã quando ainda ficava enrolando na cama, com preguiça de levantar! E quando chovia e os carros faziam um som diferente passando pela água na avenida bem em frente à casa do Kayo… que delícia.

Que gostoso andar na chuva de São Paulo!

No começo, confesso que me incomodava tanto barulho porque eu sempre morei em lugares mais tranquilos em que não tinha muito carro passando, então uma avenida tão movimentada era novidade para mim. Mas com o tempo me acostumei e passei a achar agradável, hoje dá até saudade. O som da chuva faz muita falta porque aqui em Portugal não chove com tanta intensidade como eu vi chover no Brasil com as suas tempestades, então quase nunca tem aquele som gostoso de chuvão.

#4 Os amigos e as pessoas

Claro que uma das coisas que mais sinto falta são os amigos que tenho lá! A maioria foram através do Kayo mas isso não significa que sejam menos importantes e que não sinta a falta deles. É meio triste pensar que passamos anos sem nos ver porque infelizmente não é tão barato assim viajar para o Brasil e muito menos para a Europa, mas a gente sempre dá um jeito e com a tecnologia de hoje tem sempre como estar próximo.

Saudades, garotas!

Outra coisa relacionada que eu sinto falta é das pessoas. O povo brasileiro é muito carinhoso e sempre me trataram super bem e não estou falando de pessoas conhecidas, mas de estranhos mesmo! Nunca fui mal atendida num restaurante ou numa loja, nunca foram rudes comigo na rua nem em circunstância nenhuma e isso me deixava sempre de coração quentinho. Todo mundo é sempre gentil e transmite uma boa energia, ao contrário dos portugueses que muitas vezes são arrogantes e mal educados.

#5 Os passeios

Eu amo viajar e das duas vezes que estive no Brasil fizemos sempre passeios turísticos para conhecer alguns lugares do Nordeste. É uma das coisas que eu sinto falta: fazer essas excursões maravilhosas e conhecer lugares lindos com pessoas e histórias incríveis! Adoro conhecer cidades pequenas e ver como as pessoas vivem em lugares mais humildes e como menos recursos. Por exemplo, fomos conhecer a foz do rio São Francisco e paramos numa cidadezinha junto ao rio. Era tão legal vez como as pessoas pareciam felizes e tranquilas numa vida mais simples e onde o trabalho é basicamente turismo e pesca. Sem prédios grandes, carros e ruas agitadas.

Piaçabuçu ❤

Nesses lugares sempre têm as melhores comidas e artesanato lindo! Eu sempre acabo comprando um monte de besteira só porque quero ajudar o povo. Nessa viagem compramos quase todas as lembracinhas lá e um mooonte de cocada caseira maravilhosa de vários sabores, que acabamos dividindo com os tios do Kayo e acabou em um almoço. Foi a minha maior tristeza… era a melhor cocada que eu já tinha comido e não trouxe nenhuma. Da próxima quero ir la denovo só para poder comprar mais da mesma moça!

Nos cânions do Rio São Francisco!

Com certeza tem mais coisas que sinto saudade mas as mais importantes são essas. Espero poder matar essas saudades em breve e engordar 20kg com toda a comida boa e cocada!!

E vocês? Tem alguem morando fora do Brasil ou de outro país com saudades de casa? Partilha comigo o que você mais sente falta e vamo chorar juntos! ❤ Ah e se gostou do meu texto e quer me apoiar, considere me pagar um Ko-fi https://ko-fi.com/marisanoob

– Marisa

Reviews da Marisa

Pornô para meninas ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Hoje trago um tema um pouco diferente e um tanto controverso. Mas como é Valenine’s Day, pode! Hoje vamos falar sobre pornô para meninas! Pois é garotos, acho que por esta altura já sabem que nós mulheres também gostamos de ver um bom “pa pa pa”, mas muitas vezes o porn em filme ou vídeo acaba sendo algo muito dirigido para os homens. Pelo menos eu prefiro outras formas e pelo sucesso dos livros “50 sombras de Grey” e todas aquelas coleções de bancas de revista, muitas mulheres pensam o mesmo.

Vamos lá, meninas, não é muito mais interessante um bom romance com cenas escaldantes, que podem ou não ser muito descritivas do que um filme em que todo mundo já sabe o que vai acontecer e como acontece? Eu acho… e por isso hoje trago-vos algumas sugestões minhas para dar uns bons suspiros apaixonados e amanteigar o cuscuz ao mesmo tempo:

#1 Love Junkies (mangá erótico) – por Kyo Hatsuki

Acreditem: essa é uma das capas mais de boa de mostrar aqui.

Começando com o meu favorito de todos os tempos! Love Junkies foi-me apresentado pelo Kayo, que tinha a coleção completa na adolescência mas infelizmente foi perdendo volumes para os amigos…. por que será? Quando fui pela primeira vez ao Brasil li os 3 primeiros volumes que ele tinha e amei! Depois, anos mais tarde, reli tudo online. Meninaaas, foram meses muito bons na nossa relação hahah!

Esta ero comedy conta a história de Eitaro, um garoto de 22 anos virgem que quer desesperadamente transar! Logo nos primeiros capitulos conhece uma garota e o seu desejo se realiza. Depois disso começa a ficar mais confiante e a sua relação com as garotas muda. Começa a conhecer novas pessoas e a comer todo mundo haha! A história é extremamente divertida e começa a ficar romântica para o final, e claro com muita cena sexy e quente pelo meio.

Viram? Fica muito fofo mesmo!

O que me atraiu neste manga é que as cenas sexuais nunca são demasiado explicitas e a história prende de tal modo que eu só queria saber o que ia acontecer a seguir! Não posso dar spoilers mas fica muito boa! E como eu disse acaba virando um romance ohoh ♥♥!

#2 Haou Airen – por Mayu Shinjo

Kurumi e Hakuron

*supira* Este romance adulto divide o primeiro lugar com Love Junkies. Terminei de ler há dois dias e ainda estou em fase de luto pelo final. Desculpem, garotas mas aviso já que este ao contrário do anterior vai te deixar um pouco tristinha lá pelo final.

Haou Airen foi o Kayo que me apresentou também (acho que ele lia demasiado livro de putaria hahah). Ao contrário do anterior este tem uma história bem mais séria e com cenas que podem ferir suscetibilidades (não vou mentir mas teve partes que eu não gostei assim tanto). A história é muito, muito boa! Sabem aquele filme que se tornou popular – não sei como – da Netflix, o 365 DNI? Então Haou Airen, é esse filme mas que deu certo! Muito certo!! Tudo tem muito mais contexto e, ao contrário do filme, não é ridículo, sem sal e forçado na forma como as coisas acontecem.

O manga começa com uma garota japonesa – Kurumi – que ao voltar do trabalho encontra um estranho, sensualzão, gostosão, ferido no meio da rua. Ela o ajuda e acaba levando o cara para casa para fugir das pessoas que o perseguiam, sem nunca saber quem ele é ou porque está ferido. No dia seguinte Kurumi acorda e ele sumiu, deixando apenas um pingente com a forma de um dragão e a moça suspirando de amores por ele. Nesse mesmo dia, ao sair da escola Kurumi é raptada e levada para Hong Kong, para a mansão do gostosão – chamado Hakuron – que na verdade é o líder da principal organização da máfia chinesa! O que torna a história tão boa é que não se foca tanto nas cenas de sexo no começo: demora bastante até ter uma cena assim. Os dois se apaixonam logo no começo mas ambos têm problemas em lidar com isso, cada um à sua maneira. O Hakuron foi criado de forma hostil e nunca aprendeu como é amar alguém, ao mesmo tempo que tem medo de expor a garota aos perigos do seu mundo, mas isso não impede que Kurumi continue do seu lado.

O equilíbrio perfeito entre romance e p*utaria Google (Android 11)

Foi um dos melhores romances que já li e as cenas de sexo são muito, muito boas! Mas atenção! Como eu eu falei no começo tem uma parte que se torna um pouco pesada e pode te deixar meio incomodada, mas sugiro continuar a leitura porque vai valer a pena!

#3 Outlander – por Diana Gabaldon

Claire e Deus escocês ruivo mais gostoso do mundo Jamie

Deixando os mangas de lado um pouco e para quem prefere algo mais romantico e com menos sexo explícito: vamos agora para uma série bastante conhecida e que apesar de não ser totalmente focada em sexo, tem umas cenas muito boas! Principalmente nas primeiras duas temporadas. Infelizmente por se ter tornado tão popular, sofreu com “censura” das cenas mais picantes, provavelmente para deixar a serie mais acessível a todos os públicos. Um pouco como aconteceu com Game of Thrones.

A serie conta a história de Claire, uma enfermeira casada com um historiador que tenta se reencontrar no casamento e na vida após o termino da segunda guerra mundial. Os dois decidem fazer uma segunda lua de mel em Inverness na Escócia de modo a se reaproximarem, mas Claire acaba descobrindo que é uma viajante do tempo após atravessar umas pedras mágicas e ir parar ao século XVIII. Aqui vai conhecer Jamie, um escocês gostosão das terras altas que a ajuda a se livrar de sarilhos assim que chega. Os dois acabam viajando juntos e se apaixonam.

É até difícil encontrar uma imagem deles que eu possa mostrar aqui!

Nas primeiras duas temporadas que estrearam em 2014, a série foca-se mais no romance entre os dois e as cenas escaldantes são mais comuns e, devo dizer, muito boas! Como disse antes, não são propriamente explícitas mas não precisam de o ser, acreditem que aquele ruivo vai fazer o seu sangue fervilhar só de abrir a boca!

#4 Bridgerton – Por Julia Quinn

Daphe e Simon, os transões.

Terminamos com um romance de época, uma das séries mais populares da Netflix do momento: (ler com sotaque britanico) Bridgerton!

Tal como Outlander não é uma série erótica – mais um romance á la Jane Austen – mas com uma pitada de soft porn! A história é simples e meio bobinha com mistérios e romances em cada episódio, com um duque safado e bombadão que quer fugir de casamento e uma menina riquinha em idade de casar à procura do seu príncipe. Os dois acabam bolando um plano de fingir que estão noivos para que Daphne consiga fugir de um pretendente velho asqueroso e seja notada por outros, e Simon possa viver a sua vida de solteirão sem ter mães desesperadas tentando pegar ele para casamento com as filhas.

Claro que como vocês já devem esperar os dois se apaixonam loucamente e aí que começa a parte boa! Durante uns 3 episódios, tudo é desculpa para sexo! TUDO! EM TODO O LADO! Passou uma brisa pela virilha do cara? ! Uma folha caiu no decote da moça? PÁ NO JARDIM! Os raios de sol iluminaram aquele belo traseiro de duque? PÁ NA ESCADA QUE O QUARTO É LONGE! Aproveitem bem a serie e não façam como eu que vi tudo em 2 dias e agora tenho que esperar anos pela próxima temporada.

“Aproveitem a série”, se é que me entendem.

Antes de terminar vou deixar vos uma curiosidade interessante: não sei se repararam mas todos estes títulos e a maioria dos livros, filmes e series eróticos são escritos por mulheres! Acho que porque só nos conseguimos entender que para algo ser excitante, sexy e erótico não tem de ser necessariamente pornográfico!

Agora aceito as vossas sugestões. Espero que gostem de alguma e que quem sabe vos inspire neste dia de São Valentim! Aproveitem bem o dia – se o celebrarem – com os vossos xuxus ou sozinhas/sozinhos com quem sabe um destes “pornôs” heheheh!!!

– Com amor, Marisa

PS: Se gosta dos meus textos considere me pagar um Ko-fi! 😘 https://ko-fi.com/marisanoob

A pensar alto

2021 começou. E agora?

Eae meus brigadeiros de panela recém cozinhados? Como estão? Tiveram saudades minhas? Duvido… a essa altura já todos se esqueceram de mim! Eu sei, eu sei! Mais uma vez passei muito tempo sem escrever e também sei que já falei isso antes mas tou tentando melhorar! Quando comecei o blog já sabia que ia ter momentos em que ia passar muito tempo sem escrever porque não ia ter assunto na hora mas vou melhorar isso esse ano. Uma das minhas resoluções de 2021 é melhorar o meu empenho com as coisas que me proponho a fazer, por isso o blog vai ser uma delas! Agora, sem mais enrolações vamos ao tema de hoje.

Por essa altura já é meio tarde para dizer FELIZ ANO NOVOOO! Mas eu digo na mesma porque ainda não tínhamos “falado” esse ano. Espero que a vossa virada de ano tenha sido boa e responsável! Por aqui eu e o Kayo passamos o ano em casa, de boas! Acabei trabalhando até mais tarde do que o suposto mas assim que cheguei em casa vesti o meu pijamita e fomos jantar. Vinho e petiscos, uma delicia!! Passamos o ano com animal crossing e vendo os fogos da janela e umas 3h da manhã fizemos uma live para comemorar com o pessoal do Brasil, porque tal como nós, muitos dos nossos amigos e seguidores iam passar sozinhos… então queríamos dar uma forcinha e fazer companhia.

Sabem uma coisa? Foi uma das melhores viradas de ano que já tivemos!

Nunca fui uma pessoa que adorasse a virada do ano: não gosto de confusão e as melhores festas são sempre cariiiissimas, então sempre fazia algo simples com os amigos ou com os meus pais. Esse ano achei que não ia me incomodar tanto assim de passar sozinha em casa de boa com ele. O mesmo não se pode dizer de muitos portugueses que decidiram que era uma boa fazer festas com montes de pessoas! Olha o que deu? Agora estamos com o maior número de mortes de sempre, hospitais lotados e novamente em lockdown. Parabéns a quem achou que não tinha mal se juntar no Natal e no Ano Novo, porque “ah é só uma noite!”. Parabéns! Vocês arruinaram o começo do meu ano e o de milhares de famílias, seus imbecis!

Sim, porque desde 15 de Janeiro, precisamente o dia de aniversário do Kayo, Portugal entrou em estado de emergência e isolamento obrigatório. Ou seja: tudo fechado! Não podemos sair a não ser para trabalhar (quem não pode ficar em teletrabalho), coisas essenciais como comprar comida, medicamentos ou passear o cachorro. Até as escolas fecharam e não sabemos ainda se irão reabrir tão cedo. E falando em passear o cachorro, sabiam que tem gente que aluga o cachorro para outras pessoas poderem sair? O ser humano é algo incrível mesmo.

Mas o ponto desse post é o seguinte: parece que todo mundo achava que com o final de 2020 a pandemia ia estar resolvida. Como se por artes mágicas na meia noite de 31 de Dezembro o Coronavírus fosse sumir! Desaparecer da face da terra! E dia 1 de Janeiro de 2021 íamos amanhecer para um mundo novo, sem essa bactéria do c****** estragando as nossas vidas. Mas obviamente a realidade é outra. Por isso Portugal enfrenta nesse momento um dos piores momentos da pandemia. Não vou falar novamente que foi culpa do governo ter liberado o Natal e as famílias terem se juntado, porque nós mesmos aproveitamos essa “liberdade” para passar o Natal fora de casa, com a diferença que fomos conscientes e ficamos isolados, apenas os dois numa aldeiazinha na Serra da Estrela! E sempre que saímos tomámos os devidos cuidados e tudo mais. Mas a verdade é que foi! A culpa foi das pessoas terem se “descuidado” achando que era só uma noite e que não podiam passar o Natal sem encontrar a família na terrinha! O resultado foi que como muita gente saiu das áreas metropolitanas, que pela densidade populacional, tinham mais casos e maior contágio e foram passar as festas nas “terrinhas” nas zonas rurais que já estavam com a pandemia mais controlada, acabaram levando o vírus para lá. Muitos sítios que não tinham casos ou tinham poucos, 15 dias depois já estavam retornando.

Nesse momento não sabemos quanto tempo mais irá durar esse estado de emergência. Espero sinceramente que dure até Março, fazendo assim os 2 meses que os especialistas recomendam, para que possamos travar essa curva e ter um verão mais tranquilo. Que finalmente a vacinação comece a chegar à população em geral para criarmos imunidade até ao meio do ano e quem sabe, ter um Natal e um Ano Novo normal. Espero de verdade que as coisas melhorem, apesar de estar cansada de ficar em casa e saber que muito provavelmente irei passar o meu aniversário em casa, celebrando com os amigos via zoom em vez do habitual jantar de aniversário que eu tanto gosto.

Infelizmente é um mal necessário e sei que vou ter muitos outros motivos para celebrar quando, quem sabe no Verão, pudermos finalmente dar aquele abraço apertado e lamber o rosto de todo mundo que não pudemos ver ou abraçar durante um ano inteiro, fazer uma mega festa na praia e curtir até o sol se por! Espero realmente poder fazer isso e se acontecer, prometo que vai ter post e muita foto linda! ❤

Por hoje é tudo! Espero que estejam bem, se cuidem, cuidem dos outros também e nos vemos no próximo post! Beijooooos

– Marisa

PS: Criei uma wishlista na amazon de aniversário, caso alguem queira, sei lá mandar um presente! https://www.amazon.es/hz/wishlist/ls/ROLP23VJ4HD?ref_=wl_share Brincadeira tá? Não precisa! Mas se quiser tá aí hahah